sábado, 17 de março de 2007

A cada dia basta sua pena

Gustave Thibon


O homem é o único ser vivo capaz de pensar e de prever o futuro. Este privilégio permite conceber e realizar projetos por meio dos quais - ao contrário do animal que vive no dia-a-dia sob a influência imediata dos seus instintos - o homem pode orientar e construir o seu próprio destino. A previsão é o motor do progresso.
Mas esta preciosa faculdade é também fonte de um número incalculável de ilusões e de sofrimentos.
Com efeito, muitos homens vivem de tal modo no futuro que se esquecem de saborear as alegrias ou de cumprir os deveres da hora presente. E isto, quer porque esperam do futuro uma felicidade ideal, que não é compatível com as condições da vida terrena, quer porque adiam para amanhã o cuidado de se corrigirem dos seus defeitos ou de tomarem certas decisões cuja urgência se faz sentir já hoje. Esquecem que o futuro é apenas um presente diferido e que, se hoje são incapazes de ser felizes e de realizar certos esforços, amanhã encontrar-se-ão com as mesmas limitações e as mesmas dificuldades, de tal modo que, deslocando as suas esperanças de amanhã em amanhã, acabarão por morrer sem nunca ter vivido. "O inferno está cheio de boas intenções" - diz um velho ditado... A mesma obsessão do futuro pode apresentar-se também sob a forma do medo e da angústia. Quantos homens agravam os seus males reais com a imaginação dos males possíveis e sofrem de antemão acontecimentos que talvez nunca venham a ocorrer! Estes terrores são geralmente tão ilusórios quanto as falsas esperanças, porque os males que nos atingem não são quase nunca aqueles que tínhamos previsto. Conheci um homem que vivia na obsessão do cancro; o menor mal-estar parecia-lhe um sintoma da terrível doença; via-se já destruído e condenado pela doença; por fim, acabou por morrer num acidente de automóvel, no qual nunca tinha pensado. Mas, entretanto, tinha estragado a sua vida na expectativa de males imaginários.
Responder-me-ão que há casos em que os males que se receiam não são imaginários e um homem que sofra, por exemplo, de uma doença grave, ou que defronte sérias dificuldades financeiras, tem razões muito legítimas para recear pelo futuro. Direi que tal fato é mais uma razão para não acrescentar á dor presente - que já é demasiado acabrunhante - o peso suplementar da dor futura. Vejamos o caso de um doente. O que o acabrunha e desanima é menos o seu sofrimento atual do que a imagem que cria para si mesmo do conjunto de males que talvez venha a sofrer e de perigos de que se sente ameaçado. "Que mais terei eu ainda para sofrer? Como vou sair disto tudo?" - pergunta a si mesmo. E sente-se esmagado por essa carga de provações futuras, que por agora só existem no seu espírito. Precisamos de aprender a aceitar as provações exatamente como elas nos são dadas, isto é a retalho, aos poucos e no dia-a-dia. "Qualquer que seja o teu sofrimento - dizia Marco Aurélio - podes sempre suportá-lo até ao minuto seguinte: ora, a vida é apenas uma sucessão de minutos". Também já foi dito que, se pusessem diante de um homem o conjunto dos alimentos que ele virá a consumir até ao fim dos seus dias (várias toneladas de pão, de carne, etc...), ele perderia imediatamente o apetite. E contudo, dia após dia, sem pensar nisso, o homem virá realmente a comer toda essa quantidade de alimentos...
"Não vos inquieteis a pensar no amanhã; a cada dia basta a sua pena" - diz-nos o Evangelho. O que nós temos de fazer não é sonhar o futuro,mas construí-lo mediante uma fidelidade sem quebra ao cumprimento das tarefas e dos deveres da hora presente.

Um comentário:

cintiamadruga disse...

TExto maravilhoso e que deu-me uma lição e força em uma fase tão difícil !!!!!


Fernando Rodrigues Batista

Quem sou eu

Minha foto
Católico tradicionalista. Amo a Deus, Uno e Trino, que cria as coisas nomeando-as, ao Deus Verdadeiro de Deus verdadeiro, como definiu Nicéia. Amo o paradígma do amor cristão, expressado na união dos esposos, na fidelidade dos amigos, no cuidado dos filhos, na lealdade aos irmãos de ideais, no esplendor dos arquétipos, e na promessa dos discípulos. Amo a Pátria, bem que não se elege, senão que se herda e se impõe.
"O PODER QUE NÃO É CRISTÃO, É O MAL, É O DEMONIO, É A TEOCRACIA AO CONTRÁRIO" Louis Veuillot