quinta-feira, 7 de agosto de 2008

A Educação Familiar Natural

Michel Creuzet

Michel Creuzet, um dos dirigentes do antigo "Ofício Internacional das Obras de Formação Cívica e de Ação Cultural segundo o Direito Natural e Cristão" ao lado de Jean Ousset, Gustave Thibon dentre outros, é autor de ensaios da maior atualidade, como, entre outros, os que escreveu sobre os Corpos Intermediários. O artigo que ora apresentamos aos nossos leitores é de interesse universal. Em todos ao países o problema da família e por conseguinte da educação familiar é dos mais inquietantes mormente após a Revolução moral da Sorborne, em 1968, com seu pernicioso lema "é proibido proibir" que parece ter atingido seu cume na hora presente com legislações que prescindem de qualquer valor moral e religioso com o fito sobrepujar a Lei Natural atribuindo legalidade ao divórcio e uniões de pessoas do mesmo sexo bem como a possibilidade de adoção de filhos por estas mesmas uniões. Assim, o articulista nos mostra que cumpre crer, afirmar e reagir desassombradamente contra os erros de uma sociedade envelhecida pelos falsos princípios que a estão levando ao fim.

Desde sua concepção, a criança é parte integrante da comunidade familiar. O título ao qual tem direito em primeiro término é o "filho". Com seu sobrenome os pais outorgam à criança o sinal mesmo de sua individualidade: seu nome. O desenvolvimento físico de um pequeno animal é mais rápido que o da criança. Muito cedo corre e procura seu alimento e logo abandona seus pais que se desinteressam por ele em seguida.
Como todos sabemos, não ocorre o mesmo com o gênero humano; a mãe ensina seus filhos a caminhar, falar, alimentar-se, vestir-se. O despertar de um espírito tem por centro a família. Normalmente é nela onde se elaboram os primeiros conhecimentos. Ali se adquire o sentido das realidades, da qual o jovem terá tanta necessidade no momento de sua formação intelectual. Ali se adquire, normalmente o amor a verdade. Assim, os pais dignos deste nome fazem guerra a mentira. Não toleram uma visão puramente subjetiva das coisas, donde os sonhos transformam a realidade. Assim, há razões para surpreender-se, quando os pais proclamam: "meu filho maior é católico, a menor é budista e o terceiro acaba de entrar no partido comunista". Cada um encontrou sua via naquilo que acredita ser a verdade. Este indiferentismo revela uma ruptura entre o que os pais hão ensinado ao filho e o que aceitam logo dele.. Imaginemos uma família na qual cada criança siga "o que acredita ser justo", donde alguns tiveram o sentido do bem e do mal, enquanto que outros julgam a moral "depassée" (superada, passada de moda). É esta inconsistência de principio o que tais pais e mães julgam saudável. Por veleidade a família capitula frente a suas responsabilidades. Se vêem logo as tristes conseqüências.
Se o uso pleno da razão fosse dado a criança de 10 anos, talvez poderia alguns contentar-se em mostrar-lhes a hierarquia dos bens e deixar a sua livre escolha o cuidado de decidir entre eles. Isto, que é já presunçoso nos adultos, como não o seria então nessa criança que carece de maturidade?
Não se joga ao vento a planta delicada, débil, sem raízes. Os pais tem que conduzir seus filhos na mão.
No entanto, a educação familiar exige uma preocupação cotidiana. O menor escândalo pode ter repercussões futuras profundas. Quantas vidas são perturbadas por causa do mal exemplo de pais desunidos, divorciados ou que, por covardia, deixam ao alcance da criança não importa qual seja a leitura ou ver não importa qual espetáculo, freqüentar não importa que círculo de amizades. .
Reduzir a educação familiar a vigiar as manifestações criadoras do jovem prodígio sem desapontá-lo sob pena de "complexos" e "regressões" é um engano e um crime. Um engano, pois padecerá sempre influências: não se cultiva uma planta sem água nem calor. É um crime, pois a realidade se inscreve contra o mito da criança naturalmente boa. Não forçar o espírito, a vontade da criança no sentido do bem, é abandona-lo a seus instintos e inclinações menos boas, que prontamente o dominarão.
É deixar lugar as influências más sobre as boas. Não se deixa a um filho beber veneno, nem brincar com armas carregadas. E deixa-lo então desarmado, sem juízo retor, nem vontade firme, presa das múltiplas tentações?
A educação familiar não se limita apenas em produzir "tipos bons" dentro da sociedade para os distúrbios nas ruas. "A natureza não contempla só a geração da criança, senão também seu desenvolvimento e seu progresso para leva-lo ao estado perfeito de homem, é dizer, no estado de virtude.

Atitudes, direitos e deveres naturais dos pais na educação de seus filhos.
1. Atitudes naturais:

Orientadores, psicólogos, docentes, médicos, escolas especiais aportarão aos pais um concurso precioso. No entanto, eles não substituirão a educação familiar.
"Que educador, escreve Chesterton, haverá seguido, como os pais, a criança desde o berço, terá tempo de fazer um justo discernimento das inclinações do espírito e das aptidões particulares de cada aluno? Terá por acaso a perspicácia e o amor de uma mãe?
"Os pais são insubstituíveis. Buscai o educador oficial que tenha o gosto, o tempo livre, a atitude que exige esta lenta iniciação do espírito, do coração, da consciência, que se opera no lar, ainda assim quando esta oficina da vida não proporciona mais que um mínimo de recursos (...). Esses truísmos são verdades e terminará por voltar sobre eles pois substituindo os pais por espécies de funcionários, não se terá encontrado mais que encontrará no se ha encontrado más que uma tampa que não chega tampar o buraco".
"É simplesmente prescindir de uma força natural e pagar por uma artificial, como se um homem regasse uma planta sustentando com uma mão uma mangueira e com a outra um guarda-chuva para resguarda-la da chuva. Mas isso não dará nenhum resultado, nem sequer em teoria. Não se pode fazer sempre a limpeza dos outros; é na família onde se lava a roupa suja, sobretudo quando se trata de fraudas. Só os pais poderão dar a seus filhos suficiente solicitude e cuidados. A expressão "abnegação maternal" aplicada a uma mulher que vê passar sem trégua os filhos por suas mãos, não é mais que uma amável metáfora".
No entanto se dirá: Se os pais são torpes, ignorantes da ciência pedagógica, enceguecidos por um afeto mal entendido?. Ainda nesse caso terão sobre os pedagogos mais sábios e melhor preparados uma vantagem, a do amor aos próprios filhos e o amor por si só.
Quantos excelentes mestres romanos se cansaram do aluno Agostinho, quantos "orientadores" profissionais não souberam onde dirigi-lo, ao passo que a paciência, as orações, as lágrimas... e o amor maternal de Santa Mônica o levaram a mudar de vida, fazendo dele um grande Filósofo e um Padre da Igreja!
Falamos de excelentes mestres, de honestos orientadores; não há necessidade de falar de excelentes mães. Que mãe normal não houvera intentado o que Mônica alcançou?
Inversamente, os pais indignos escandalizam a opinião. Mas se fala pouco de antros de educação indignos. Em todo caso, isso surpreende menos, porque o laço com a criança é menos estreito, normalmente, que na família. A educação no lar apresenta vantagens. É continua, os pais menos dotados fazem pedagogia, mesmo que sem saber, porque o amor de seus filhos os leva naturalmente a compreende-los, a resolver seus problemas, a ajuda-los em tudo que podem.
A educação familiar é pessoal. Se conhece a cada um dos filhos com suas qualidades, com seus defeitos e suas reações habituais. Como professores desbordados poderiam educar a seus alunos, um por um, como em uma família, ainda que com sua capacitação e com sua abnegação?

Tomado e traduzido do livro "LA ENSEÑANZA" de Michel Creuzet

Nenhum comentário:


Fernando Rodrigues Batista

Quem sou eu

Minha foto
Católico tradicionalista. Amo a Deus, Uno e Trino, que cria as coisas nomeando-as, ao Deus Verdadeiro de Deus verdadeiro, como definiu Nicéia. Amo o paradígma do amor cristão, expressado na união dos esposos, na fidelidade dos amigos, no cuidado dos filhos, na lealdade aos irmãos de ideais, no esplendor dos arquétipos, e na promessa dos discípulos. Amo a Pátria, bem que não se elege, senão que se herda e se impõe.
"O PODER QUE NÃO É CRISTÃO, É O MAL, É O DEMONIO, É A TEOCRACIA AO CONTRÁRIO" Louis Veuillot